FANDOM


Zoë Doce-Amarga era uma hespéride exilada que se juntou às Caçadoras de Ártemis, tornando-se a tenente da deusa por séculos. Foi morta em batalha por uma combinação do golpe de seu pai Atlas com o veneno do dragão Ládon, enquanto resgatava Ártemis.

História Editar

Vida pregressa Editar

Nos tempos antigos, Zoë cuidava do Jardim das Hespérides com suas irmãs, cuidando especialmente da árvore de maçãs douradas de Hera. Ao contrário de suas irmãs, ela parecia ter um vínculo especial com Ládon, a quem ela realmente alimentava à mão.

Ajudando Hércules Editar

Mais tarde, Zoë ajudou Hércules a completar sua busca pelas maçãs douradas, dando dicas de como enganar seu pai Atlas, além de entregar seu alfinete de cabelo que se transforma em uma espada chamada Anaklusmos. Quando suas irmãs descobriram isso, elas a exilaram.

Hércules acabou não dando crédito a Zoë por sua ajuda e a abandonou. Como resultado, ela passou a guardar rancor contra heróis do sexo masculino, que só aumentou depois que ela se juntou às Caçadoras de Ártemis.

Eventualmente, Zoë, com sua lealdade, se tornou a tenente de Ártemis.

Caça à Órion Editar

Zoë passaria séculos tentando, sem sucesso, rastrear e matar o gigante Órion, que nutria um forte ódio por mulheres em geral, em especial pelas Caçadoras e pelas Amazonas, devido ao seu passado trágico com Ártemis.

Briga com Thalia Editar

5 anos antes de O Ladrão de Raios, Zoë e as Caçadoras encontraram Thalia, Luke e Annabeth enquanto eles viviam como fugitivos. Zoë tentou convencer Thalia a se juntar às Caçadoras, porém ela não queria deixar Luke. As duas então tiveram uma discussão acalorada em que Zoë disse que Thalia estava sendo estúpida e se arrependeria, afirmando que Luke a decepcionaria algum dia.

Percy Jackson e os Olimpianos Editar

A Maldição do Titã Editar

Zoë e as Caçadoras aparecem pela primeira vez na saga ao lado de Ártemis, ajudando Percy, Annabeth, Thalia, Grover, Bianca e Nico a combater o mantícore conhecido como Dr. Espinheiro, que, apesar de aparentemente superado, fugiu levando Annabeth. Quando as Caçadoras montaram acampamento, Zoë se aproximou de Bianca, convencendo-a a se juntar à caçada. Ártemis decide rastrear o monstro e Zoë se oferece para acompanhá-la, porém a deusa ordena que sua tenente leve as Caçadoras até o Acampamento Meio-Sangue até que a situação se normalize.

No acampamento, Zoë sonha que Ártemis está com problemas e exige que Quíron a deixe ir em seu resgate, mas o centauro afirma que suas ordens não são essas e anuncia uma partida de Captura à Bandeira entre Caçadoras e campistas como é tradição. As Caçadoras provocam o avanço de Percy no jogo e Zoë é capaz de atacar a base inimiga sozinha e capturar a bandeira, vencendo a partida. Momentos depois da partida, enquanto Thalia e Percy estão discutindo, o Oráculo deixa o sótão e se aproxima de Zoë para conceder uma missão para salvar Ártemis, que havia de fato sido capturada.

Zoë se viu obrigada a levar campistas junto de caçadoras para a missão, mas se recusou a levar Percy por ser um garoto, apesar de não ter problemas em levar Grover, já que ele é um sátiro. Além de Grover, ela decidiu levar Bianca, Thalia e Phoebe, sua melhor rastreadora dentre as Caçadoras, porém Travis e Connor borrifam borrifam sangue de centauro em uma camisa e dão a Phoebe como vingança por suas ações contra eles na Captura à Bandeira, que fez com que Phoebe ficasse incapacitada. Percy então os segue secretamente com Blackjack, querendo ter certeza de que Annabeth fosse encontrada sã e salva, além de ter prometido a Nico que manteria sua irmã Bianca segura. Zoë ficou furiosa com Percy, uma vez que ele se revelou, mas o aceita na missão quando ele avisa que ele alguém chamado "O General" estava mandando guerreiros esqueletos atrás deles, além do Leão de Nemeia como distração, o que assustou Zoë. Todos eles lutaram contra o leão e Zoë e Bianca conseguiram matá-lo com algumas de suas flechas. No entanto, ela deixou Percy ficar com a pele, visto que ele fez o leão abrir a boca (seu único ponto vulnerável) com comida de astronauta. Eles continuaram sua busca indo para o oeste para encontrar ÁrtemisApolo, disfarçado, os ajudou, dando-lhes transporte para o oeste, mas avisou-os de que isso era tudo o que ele podia fazer, pois, pela lei divina, ele não tinha permissão para interferir diretamente em sua busca.

Enquanto estava no deserto, atravessando o ferro-velho de Hefesto, um protótipo defeituoso de Talos os atacou quando Bianca pegou um presente para Nico. Zoë se sente culpada pela morte de Bianca, pois Zoë a escolheu quando ainda era uma Caçadora iniciante que tinha apenas doze anos para uma missão altamente perigosa. Ela acreditava que Bianca tinha o potencial de substituí-la, pois Zoë não poderia ser a tenente para sempre. Percy tentou confortar Zoë após a morte de Bianca, e mais tarde sonhou com o encontro de Hércules e Zoë. Depois de viajar para a Califórnia, Percy sacrifica a pele do leão de Nemeia a seu pai, Poseidon, para manter Grover e Bessie (o Ofiotauro) seguros em sua jornada para o Olimpo e diz a todos, principalmente para Zoë, que ele não quer ser como Hércules.

Para chegar a Ártemis, eles são forçados a atravessar o Jardim das Hespérides. Lá, Zoë encontra suas irmãs que a exilaram e diz a elas que nunca tiveram coragem, antes de acordar Ládon. O dragão, depois de um tempo, sentiu que Zoë não era realmente quem ela "costumava ser" e atacou, ela se esquivou, mas ainda foi mordida pelo lateral. Os dentes do dragão eram venenosos e o veneno a enfraqueceu lentamente, mas ela escondeu o ferimento dos outros.

Eles encontraram Ártemis segurando o céu que ela havia tirado de Annabeth. O general Atlas foi revelado como pai de Zoë e Percy assumiu o fardo de Ártemis. Zoë, em suas tentativas de impedir Atlas de destruir Ártemis, foi derrubada por seu pai, causando ferimentos internos graves e grandes ferimentos emocionais. Ártemis e Percy enganam Atlas para assumir seu fardo e Atlas fica preso mais uma vez. O golpe de Atlas junto com o veneno de Ládon foram o suficiente para enfim matá-la, em seu leito de morte ela pediu perdão à Thalia pelas brigas, diz que Percy não é como Hércules, se sentindo honrada por ele carregar Anaklusmos consigo e fica feliz por poder ver as estrelas. Após sua morte, Ártemis a colocou no céu noturno, formando uma nova constelação, "a Caçadora". Sua morte foi prevista pela última linha da profecia, que afirmava: "E pela mão do pai, um irá expirar”, assim Zoë soube a viagem inteira que ela era a mais provável de morrer, mas seguiu com seu objetivo.

Personalidade Editar

Zoë era um tenente leal de Ártemis, nunca vacilando em mais de 2000 anos. Zoë tinha uma extrema desconfiança dos heróis do sexo masculino, por causa de sua história com Hércules, sendo distante e hostil dos semideuses homens, incluindo Percy, mas aos poucos cria amizade com o filho de Poseidon. Ao longo do livro, Zoë mostrou falar palavras mais antigas e rebuscadas visto que ela era muito mais velha do que aparentava e não se adaptou às mudanças na língua. Ela também mostrou um interesse particular pelas estrelas: ela ficou ofendida quando Percy se referiu a Ursa Maior como "a coisa do urso", e quando Percy fala sobre o urso ser simplesmente uma constelação, Zoë afirmou que "Era um oponente digno!", além de ter entrado em desespero por não conseguir ver as estrelas em seu leito de morte e feliz depois quando retorna a vê-las. Ela parecia especialmente irritada sempre que Thalia corrigia seu discurso, exclamando "Eu odeio esse idioma! Ele muda com muita frequência!" referindo-se à maneira como a língua inglesa mudou ao longo dos séculos. Percy nota que Zoë também tinha algumas das características de seu pai, mas no geral era uma pessoa muito mais gentil.

Demonstrou sua coragem e lealdade mais de uma vez durante a missão: quando Atlas estava prestes a matar Percy, ela gritou: "NÃO!" e disparou um punhado de flechas para que ele a atacasse e desse a Percy a chance de se recuperar. Ela também colocou sua lealdade à Ártemis acima de sua vida quando se arriscou na missão, apesar de saber que a frase na profecia dizendo "E pela mão do pai um irá se expirar" estava se referindo a ela.

Aparência Editar

Percy descreveu Zoë como alta, graciosa e muito bonita (apesar de só ter percebido isso quando encontrou as suas irmãs Hespérides): ela tinha olhos castanhos escuros, nariz levemente arrebitado, pele cor de cobre e a argola de prata trançada na parte superior de seus longos cabelos escuros, dando-lhe a impressão de uma princesa persa. Percy também afirmou que ele podia ver a semelhança familiar entre Zoë e seu pai Atlas, com eles compartilhando a mesma expressão real, o mesmo olhar frio e orgulhoso em seus olhos (o que Zoë teve quando ela estava com raiva), embora nele parecesse "mil vezes mais maldade".

Habilidades Editar

  • Imortalidade: como Caçadora, ela não envelhece, sendo imortal a menos que caia em batalha ou quebre seu juramento.
  • Tiro com arco: possui excelente mira com seu arco, que aparece quando necessário. Suas habilidades com arco e flecha são suficientes para manter seu pai, Atlas, ocupado durante a batalha, além de disparar diversas flechas com incrível velocidade e precisão na boca do leão de Nemeia.
  • Combate com facas: também mostrou ser proeficiente no uso de suas facas de caça.
  • Fisiologia Aprimorada: ela é naturalmente mais forte e mais rápida que um mortal, semideus ou ninfa comum.
  • Zoolingualismo: ela pode conversar com animais selvagens.

Curiosidades Editar

  • Curiosamente no original, Zoë diz que seu sobrenome é Nightshade, embora na Grécia Antiga ninguém tivesse esse sobrenome. Por isso, é possível que esse fosse um título que ela escolhera ao longo dos anos e não um sobrenome de verdade, tanto é que acabou sendo mudado e traduzido em outras línguas.
  • Na versão em espanhol, seu sobrenome é "Belladonna", em vez de “Nightshade". Belladonna e Nightshade são de fato dois nomes atribuídos à mesma planta, uma erva medicinal que tem sido usada como anestésico e, mais frequentemente, como veneno mortal.
  • Em A Maldição do Titã, Percy sonha com o passado de Zoë. No sonho, Zoë afirma que sua mãe é Pleione, mas nos mitos, a mãe das Hespérides é Héspera, enquanto Pleione é mãe das Plêiades. Logo, Zoë provavelmente a toma como sua madrasta.
  • Zoë é a segunda pessoa conhecida que Ártemis enviou para as estrelas, sendo Órion o primeiro.
  • As ninfas da água tendem a ser más com Zoë, pois ela alegou que nunca a perdoaram por trair sua madrasta, Pleione, uma ninfa da água.
  • Zoë compartilha semelhanças com sua meia-irmã Mérope, outra filha mitológica de Atlas. As duas garotas traíram suas irmãs - as Hespérides e as Plêiades, respectivamente - por um homem mortal; Zoë ajudando Hércules em sua missão e Mérope se casando com o rei mortal Sísifo.
    • Curiosamente, alguns mitos listam as Plêiades como companheiras de Ártemis, assim como Zoë era a tenente da deusa e uma Caçadora de Ártemis.
  • Ela é uma das cinco caçadoras falecidas mencionadas pelo nome na série, sendo as outras BiancaPhoebe, Celyn e Naomi.
  • Foi mencionada algumas vezes em outros livros da saga:
O conteúdo da comunidade está disponível sob CC-BY-SA salvo indicação em contrário.